sábado, 31 de dezembro de 2016

Vinhos em família (LXXVII) : grandes tintos e brancos de inverno, a fechar o ano

Mais uma série de vinhos, todos no patamar da excelência, provados em família e com os rótulos à vista. Um conjunto excepcional para fechar o ano, apesar da ausência de fortificados de eleição. E eles foram:
.Qtª dos Roques Encruzado 2014 - frutado com os citrinos a imporem-se, notas florais, boa acidez e alguma mineralidade, algum amanteigado, volume médio e final de boca com alguma persistência. Elegante, harmonioso e gastronómico. Incompreensível o facto de o contra-rótulo estar todo escrito em inglês! Um dos favoritos do meu amigo Rui (Pingas no Copo). Nota 17,5+.
.Vinha Formal Cercial Parcela Cândido 2015 - na senda da colheita de 2014 que a Revista de Vinhos (RV) classificou com 18,5, a nota mais alta dada a um branco; fruta de caroço, notas florais, acidez e gordura no ponto, algum volume e final de boca muito longo, elegante e gastronómico. Um bom exemplar de um branco de inverno. Estava melhor quando bebido no dia seguinte. Aconselha-se decantação prévia. Nota 18.
.Qtª da Pellada Primus 2013 - Prémio Excelência atribuído pela RV; com base em vinhas velhas; aroma intensamente floral, acidez equilibrada, notas amanteigadas, volumoso e final de boca persistente. Gastronómico, precisa de comida por perto. Outro notável exemplar de branco de inverno. Nota 18.
.Qtª do Vallado Touriga Nacional 2008 - 94 pontos atribuídos pela Wine Spectator e 92 pelo Parker; estagiou 16 meses em meias pipas de carvalho francês; ainda com fruta, notas florais acentuadas, bela acidez, algo especiado, taninos civilizados, volume considerável e final de boca muito longo. A consumir nos próximos 6/7 anos. Nota 18,5.
.Marquês de Borba Reserva 2011 - Prémio Excelência atribuído pela RV; nariz discreto, aromas terciários, acidez equilibrada, notas de lagar e alguma pimenta, taninos de veludo, algum volume e final de boca. Perfil aristocrata, foi prejudicado por ter sido provado ao lado do Pai Abel, melhor no dia seguinte bebido a solo. Nota 18.
.Pai Abel 2011 (comprado em primor) - nariz exuberante, presença de frutos pretos, notas florais, especiado, acidez no ponto, taninos vigorosos, volume notável e final de boca muito longo. Grande complexidade. Ainda demasiado jóvem, há que esperar por ele, podendo ser bebido daqui a 9/10 anos. Nota 18,5+.

Sem comentários:

Enviar um comentário