domingo, 31 de janeiro de 2016

Vinhos em família (LXVIII) : finalmente os tintos de 2011...

A fechar o mês, mais uma rodada de vinhos provados tranquilamente em família e com os rótulos à vista. E todos a portarem-se muito bem: 1 Alvarinho, 1 Colheita Tardia, 1 Madeira e 2 tintos da colheita excepcional que foi o ano de 2011, nomeadamente no Douro. Ei-los:
.Soalheiro Alvarinho 1ª Vinhas 2013 - austero, presença de citrinos, algum leve tropical, acidez equilibrada, elegante e sofisticado, algum volume e persistência. Nota 17,5+ (noutras situações 17,5+/17,5+).
Acompanhou bem uns belos camarões de Moçambique.
.Nunes Barata Grande Reserva 2011 (produzido pela família Nunes Barata, no Cabeção) - com base nas castas Alicante Bouschet, Syrah e Cabernet Sauvignon, estagiou 1 ano em barricas de carvalho francês; nariz contido, presença de frutos pretos, notas florais, acidez no ponto, algo especiado, potência de boca, mas elegante e grande final de boca. Ainda está crescer, dará o seu melhor daqui por 4/5 anos. Praticamente esquecido pela crítica especializada, foi a minha grande surpresa quando andei a provar vinhos alentejanos no CCB, no último verão. Nota 18.
.Qtª Crasto Vinhas Velhas 2011 - estagiou 18 meses em barricas de carvalho francês; nariz exuberante, ainda com muita fruta vermelha, especiado, notas de tabaco e algum chocolate, acidez no ponto, taninos suaves, volume, elegância e bom final de boca. Tem a melhor relação preço/qualidade em vinhos de gama média/alta. Nota 18,5 (noutra 17,5+).
Estes 2 tintos foram provados em paralelo, a acompanhar umas saborosíssimas alheiras de Mirandela.
.Grandjó Late Harvest 2008 - com base na casta Sémillon; presença de citrinos e mel, acidez não muito acentuada, alguma gordura e volume, final de boca médio. Nota 17,5 (noutras 16,5+/17,5+17,5+/18).
Foi provado com uma sobremesa.
.Borges Malvasia 30 Anos - nariz exuberante, complexidade com predominância de frutos secos, vinagrinho, notas de caril e iodo, alguma gordura e volume, final muito longo. Nota 18 (noutras 18/18).
Provado no final da refeição com frutos secos.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Less : o Miguel Castro e Silva (MCS) merecia mais

Em finais de 2015, abriu no palacete "Embaixada" (Pç Príncipe Real,26) o Less by Miguel Castro e Silva. Quando da sua abertura, titulava a E (Revista do Expresso): "Casamento perfeito", afirmando "A Gin Lovers e o chefe MCS estão juntos para trazer ao Príncipe Real alguns dos melhores gins do mercado e pratos do reconhecido chefe (...)". Só que o dito casamento não é nada perfeito, pois enquanto o Gin Lovers está omnipresente, o MCS só tem direito ao seu nome em letras minúsculas e de reduzida visibilidade. Acaba por ser um parceiro menor, ele que merecia mais.
Mesas despojadas (é moda?), embora com guardanapos de pano e espaço simpático e excessivamente informal. Tão informal que no dia em que lá almocei até estava, numa outra mesa, uma jóvem mulher e o respectivo cão (!?).
Influência do novo deputado do PAN (pessoas-animais-natureza)?
A ementa é algo confusa, pois entradas e pratos estão misturados e dão origem a algumas gafes. Comecei com a entrada (a pensar que era um prato) vieiras com creme de milho e pimenta rosa e terminei com a sobremesa sopa de frutos vermelhos, pêra e gelado de natas. Estava tudo com a qualidade esperada a que me habituou o MCS.
Quanto a vinhos a copo, inventariei 1 espumante, 2 brancos e 2 tintos (estavam à temperatura ambiente, o que é de lamentar), uma boa oferta num espaço que aposta preferencialmente nos gins. Optei por um copo do branco MCS Rui Reguinga 2014 - fruta cozida, alguma acidez, volume médio; apenas um vinho correcto que acompanhou bem a refeição. Nota 15,5.
A garrafa veio à mesa, depois do empregado ter afirmado que já não havia (!), e dado aprovar num bom copo. A quantidade era mínima, mas foi prontamente corrigida quando do meu reparo.
Concluindo, boa gastronomia, serviço de vinhos com falhas e ambiente demasiado informal.

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Prémios do Mesa Marcada : mais do mesmo...

Fui, na qualidade de gastrónomo, um dos 103 votantes que elegeram os 10 melhores chefes e os 10 melhores restaurantes, cujo painel incluiu chefes, donos de restaurantes, críticos e gastrónomos. Esta última edição, mais uma vez organizada e animada pelo Duarte Calvão e pelo Miguel Pires, decorreu no restaurante Honorato Chiado e teve alguns apoios de peso, como é o caso da Symington com os vinhos e a Delidelux com a maior parte dos petiscos servidos. Pareceu-me, esta edição, uns furos acima das anteriores e dou os meus parabéns aos organizadores.
Tal como escrevi na crónica de há 1 ano "Prémios do Mesa Marcada : certezas e dúvidas...", custa-me aceitar que 72 dos 103 jurados (70 % do total!) tenham ido ao Belcanto e cerca de metade aos badalados e estrelados restaurantes algarvios. Sugeri e reitero a sugestão de ser criada uma outra categoria para os espaços de restauração, com um preço médio de 30/40 € (sem bebidas) e para a qual não seriam elegíveis os estrelados. Pensem nisso, amigos do Mesa Marcada.
A minha votação (entre parêntesis, o lugar em que ficaram na classificação geral), sendo fácil de concluir que alguns só tiveram o meu voto:
a. TOP 10 Chefes
1.Vitor Areias - Estória (40º)
2.Walter Blazevic - Lisboète (61º)
3.Marlene Vieira - Mercado da Ribeira (37º)
4.Artur Santos e João Silva - Casa da Dízima (72º)
5.Miguel Castro e Silva - deCastro Flores e Mercado da Ribeira (13º)
6.António Batista - Qtª Madre de Água (69º)
7.João Bandeira - Via Graça e Casa do Bacalhau (90º)
8.Sá Pessoa - Mercado da Ribeira (8º)
9.Alexandre Silva - Mercado da Ribeira (20º)
10.Kiko Martins - A Cevicheria e O Talho (11º)
b.TOP 10 Restaurantes
1.Sabores d' Itália (73º)
2.Casa da Dízima (80º)
3.Lisboète (88º)
4.Enoteca de Belém (94º)
5.Descobre (108º)
6.Via Graça (121º)
7.Manjar do Marquês (101 º)
8.Corte Inglês - restaurante principal (146º)
9.deCastro Flores (48º)
10.Sem Dúvida (179º)
Para os mais curiosos, o blogue Mesa Marcada, para o qual tenho um link, disponibiliza as listagens gerais dos chefes e restaurantes votados, bem como identifica os 103 votantes.

domingo, 24 de janeiro de 2016

Próximos eventos à volta do vinho

1.wine & flavours film festival (2ª edição)
Evento organizado pela EHTL (Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa, com sede na R. Saraiva de Carvalho,41), com o apoio da CVR Alentejana e do CCB, nos dias 28, 29 e 30 de Janeiro.
No desenrolar desta edição, os participantes podem ter acesso a:
.2 almoços temáticos (15 €) e 2 jantares vínicos (30 €)
.mostra de vinhos e produtos regionais alentejanos e, ainda, prova de azeites
.ciclo de conversas "As Artes do Vinho"
.projecção de filmes com temas relacionados com vinhos e sabores
Mais informações em //cinemaacopo.wix.com/wineandflavours.

2.Top Wines (2ª edição)
Edição dedicada aos vinhos de Lisboa, a decorrer de 24 a 28 de Fevereiro, no restaurante bar Vestigius (ao Cais do Sodré), contando com a presença de representantes do Court of Masters Sommeliers e aparticipação do escanção Ricardo Morais.

3.Essência do Vinho (13ª edição)
Terá lugar no Palácio da Bolsa, no Porto, de 25 a 28 de Fevereiro, onde poderão ser provados mais de 3000 vinhos. No decorrer do evento, será eleito o "TOP 10 Vinhos Portugueses".
Mais informações em www.essenciadovinhoporto.com.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

2015 : na hora do balanço (VI) - as crónicas mais lidas e os países de origem dos seguidores

Com a crónica de hoje, dou como encerrado o balanço de 2015. Como o sistema não me dá directamente as leituras de cada escrito, deu-me a pachorra de as ver uma a uma e hierarquizá-las, em vez de difundir as mais lidas desde sempre, como fiz nos balanços anteriores.
A encerrar hierarquizo os países de origem dos seguidores do meu blogue (ou serão os países onde se encontram os servidores?).
A.As crónicas mais lidas em 2015
1."Grupo dos 3 (45ª sessão) : tintos do Douro "travestidos" de alentejanos", em 21/4
2."Colheita de 2005 e um prémio de consolação", em 5/3
3."Os vinhos da Herdade Paço do Conde", em 1/7
4."Curtas (XLIX) : novos espaços (JMF e outros), provas pagas, etc", em 29/1
5."Almoçar no Lisboète", em 1/3
6."Lisboa Restaurant Week (I) : Arola, a desilusão", em 10/3
7."Vinhos em família (LXIV) : lugar aos brancos", em 27/8
8."19/3/2010 - 19/3/2015 : 5 anos a blogar (I)", em 19/3
9."Almoço com Vinhos da Madeira (17ª sessão) : tintos 2007 e 1 Colheita...", em 26/3
10."Porto Colheita versus Porto Vintage", em 12/5
B.Os países de origem dos seguidores (valores acumulados)
1.Portugal
2.EUA
3.Alemanha
4.China
5.Rússia (era o 7º)
6.Ucrânia (era o 5º)
7.França (era o 6º)
8.Brasil (era o 9º)
9.Polónia (era o 8º)
10.Reino Unido
Nota - os 4 primeiros e o último mantêm as mesmas posições de 2014.

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

2015 : na hora do balanço (V) - os principais eventos

Retomando o balanço de 2015, a crónica de hoje é dedicada aos principais eventos (provas, almoços, jantares e encontros vínicos e gastronómicos) em que participei ao longo do ano transacto.

1.Sessões com Vinhos da Madeira e outros fortificados
a.Exclusivamente com o nosso núcleo duro
Almoços na Casa da Dízima (17ª e 22ª sessão) e em residências de alguns elementos deste grupo (Adelino 18ª), Modesto (19ª), Juca (20ª) e Alfredo (21ª).
Jantar na Casa da Dízima, com as presenças do Francisco Albuquerque, Jorge S. Borges e Sandra T. Silva.
b.Alargada a outros convidados
Apresentação e prova de novidades da Blandy, orientada pelo Francisco Albuquerque.

2.Eventos vínicos, organizados pela Néctar das Avenidas
a.Jantares com
Lavradores de Feitoria (Via Graça), Real Companhia Velha (Casa do Bacalhau), Susana Esteban (Sem Dúvida), Vinhos Bairrada, antecedido do Bairradão (Hotel Real Palácio), Herdade das Servas (Via Graça) e João Brito e Cunha (Hotel Real Palácio).
b.Visita à Real Companhia Velha, com provas, almoços e jantares, durante um fim de semana alargado.

3.Provas de Vinhos e Sabores
EVS (organizado pela Revista de Vinhos no Pavilhão dos Congressos), Dão Capital (Palácio Foz), Wine Fest Alvarinho (Pavilhão de Portugal), Baga Bairrada (ViniPortugal), 1ª Feira do Douro (Douro Boys na Qtª do Vallado), Decante Vinhos (Hotel Ritz), Distri Wine (Epic Sana Hotel), Azeites e Vinhos do Alentejo (CCB) e Tourigas (Campo Stª Clara).

4.Peixe em Lisboa
Decorreu, uma vez mais, no Pátio da Galé, tendo abancado no Pap' Açorda, Flores do Bairro e Las Ficheras. Tudo regado com vinhos da José Maria da Fonseca.


quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Prémios W 2015 : o Anibal Coutinho ensandeceu?

Na minha crónica "Melhor blogue do ano : o enófilo militante está, mais uma vez, no Top 10", publicada em 29/12/2015, referia que os Prémios W 2015, louvável iniciativa do crítico Anibal Coutinho, contemplavam 23 categorias. Fui agora surpreendido com o anúncio dos nomeados para mais duas, "Acontecimento do Ano" e "Personalidade do Ano".
Não me fica bem, nem é politicamente correcto, manifestar-me quanto às escolhas do Anibal Coutinho, mas abro uma excepção e não resisto a comentar a última categoria. Os nomeados foram:
.Arlindo Cunha (CVR Dão)
.André Ribeirinho (Addega WineMarket)
.Anibal Cavaco Silva (Presidente da República) !?!?!?!?!?!?!?!?!?!?
.António Ventura (Associação Portuguesa de Enologia)
.Dora Simões (CVR Alentejana)
.Frederico Falcão (IVV)
.Jorge Monteiro (ViniPortugal)
.José Pedro Soares (CVR Bairrada)
.Leonor Freitas (Casa Ermelinda Freitas)
.Patricia Marques (Empreendedora)
Fiquei verdadeiramente estupefacto com a inclusão do PR, sobre o qual não tenho conhecimento de qualquer obra feita a bem do vinho. SExa nem sabe pegar no copo, conforme referi na minha crónica "Procura-se assessor para a Presidência da República. Assunto urgente.", publicada em 9/6/2010! Ainda se fosse a ex-Ministra da Agricultura, ainda percebia, mas agora o PR...
Só se foi por solidariedade onomástica!

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

2015 : na hora do balanço (IV) : TOP 10 espaços de restauração

Continuando o balanço de 2015, após um curto interregno, a crónica de hoje é dedicada aos espaços de restauração que, entre das dezenas que visitei no decorrer do ano passado, mais me satisfizeram. Como critérios de avaliação, tive em conta a cozinha, fosse tradicional ou de autor, o ambiente, o serviço em geral e, muito particularmente, a componente vínica (a carta de vinhos, as referências disponíveis para consumo a copo, preços, a qualidade dos copos, o controlo das temperaturas e o serviço de vinhos, propriamente dito).
Sendo, por vezes, difícil hierarquisar estes espaços, optei pela ordem alfabética, assinalando com * os que entraram em 2015 e pondo entre parêntesis as datas das crónicas respeitantes à minha última visita a cada um deles:
.Casa da Dízima *, em Paço d' Arcos (15/12)
.Corte Inglês - restaurante principal (22/11)
.deCastro Flores * (27/1)
.Descobre (6/8)
.Enoteca de Belém (30/4)
.Lisboète * (3/11)
.Manjar do Marquês, em Pombal (14/7)
.Sabores d' Itália, nas Caldas da Rainha (11/6)
.Sommelier * (24/12)
.Via Graça (12/2) / Casa do Bacalhau (4/6)
Não foram incluídos neste TOP, mas têm um serviço de vinhos de qualidade: A Cevicheria, Atalho Real, By the Wine, Eleven, Rossio Altis Avenida, Sala de Corte, Taverna do 8 ò 80, na Nazaré e Viva Lisboa.

sábado, 9 de janeiro de 2016

Curtas (LXXI) : o vinho na RTP3, saber pegar no copo e novos espaços

A crónica de hoje é dedicada a pequenas notícias, deixando para outro dia a continuação do balanço do ano 2015.
1.O vinho na RTP3
A Essência do Vinho tem agora um programa semanal, sempre aos domingos, dedicado ao vinho e à gastronomia. Começou no dia 20 de Dezembro, algo confuso, com uma reportagem sobre o João Nicolau de Almeida e família na Qtª Monte Xisto, mas incluída no noticiário 3 às 15. Não me apercebi do tema do dia 27, mas no dia 3 de Janeiro, finalmente em espaço autónomo que dá pelo nome de "A Essência", passou uma peça na Qtª do Soalheiro, com o António Cerdeira, que ainda pode ser vista. A reportagem de amanhã será com o Jorge Serôdio Borges e a sua dupla paixão (além da Sandra, claro), o vinho e os carros. A não perder!
2.Pegar no copo
Com tanta gente colunável a não saber pegar no copo, vejo com muita satisfação o candidato a Presidente da República, Sampaio da Nóvoa, a pegar correctamente no dito, após o Tribunal Constitucional ter aprovado a sua candidatura. Esta notícia passou no jornal da manhã de 30 de Dezembro na SIC Notícias.
Grande contraste, se compararmos a postura deste candidato a PR com a do actual inquilino de Belém. Mais uma razão para votar Sampaio da Nóvoa!
3.Lisbon Winery
Lisbon Winery é um novo wine bar que abriu no Bairro Alto (Rua da Barroca,9-13). Muito bom o aproveitamento do espaço, deixando à vista uma cisterna do século XVI e com uma decoração que tem tudo a haver com o mundo do vinho. Aposta forte no vinho a copo, com mais de 200 referências que podem ser provadas nessa circunstância. De momento, não tem cozinha aberta, estando a oferta gastronómica reduzida a tapas de queijo e enchidos.
O animador deste espaço é o Alexandre Carreira que eu já conhecia do tempo d' A Commenda e que veio do Wine Lover, depois de ter passado pelo Eleven, entre outros espaços de restauração.
4.Maria Granel
Situada em Alvalade (Rua José Duro,22 B) é uma grande loja que também dá pelo nome de mercearia biológica a granel. Embora nada tenha a haver com o vinho, merece uma referência aqui, pois é um espaço onde pode encontrar frutos secos, cereais, chás, ervas aromáticas, chocolates e especiarias.
5.Loja das Conservas
É um nome que diz alguma coisa aos amantes de conservas de qualidade e que já conhecem a loja da Rua do Arsenal,130. Abriu agora outra na Praça das Flores, mais pequena mas, exactamente com o mesmo conceito. Boas compras!

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

2015 : na hora do balanço (III) - TOP 10 de fortificados

Depois dos brancos e dos tintos, hoje é a vez dos fortificados, a maior parte dos quais foi provada no âmbito dos encontros do nosso grupo de Vinhos da Madeira, que também abrange a degustação de Vinhos do Porto e de Moscatéis (onde incluo os Bastardinhos). E eles são:
1.Artur Barros e Sousa Moscatel 1963 (embora um Madeira, considerei-o um Moscatel para este efeito)
2.Burmester Colheita 1955
3.Blandy Terrantez 1977
4.Krohn Colheita 1978
5.Blandy Terrantez 1975
6.Blandy Verdelho 1979
7.FEM Verdelho Muito Velho
8.Barros Colheita 1974
9.Bastardinho 20 Anos e 30 Anos
10.Blandy Bual 1966
Não incluí alguns Madeiras do século XIX, raridades que não se encontram nos circuitos comerciais, como é o caso do Henriques & Henriques Terrantez 1825 (ou 1827?), engarrafado em 1937, Adega do Torreão Bastardo 1880 e JBR Bual 1900. Também ficaram de fora, por terem sido eleitos em 2014: Borges Sercial 1979 e Borges Malvasia + de 40 Anos. Não constam no TOP, mas poderiam estar, pois tiveram a mesma nota (18,5) dos 3 últimos: Artur Barros e Sousa Verdelho 1984, Blandy Verdelho 1973, FMA Bual 1964, Ramos-Pinto 30 Anos e Moscatel Alambre 20 Anos.
Quanto a fortificados para o dia a dia, é de apostar no Moscatel Roxo 2002 da Bacalhôa, em garrafa de 0,75 l, pois tem uma excelente relação preço/qualidade.
De referir:
.o balanço deste ano é muito mais equilibrado que o anterior, uma vez que além dos Madeiras (5 presenças), também contempla o Porto Colheita (3 presenças) e os Moscatéis (1 Madeira e 2 Bastardinhos)
.a hegemonia da marca Blandy, com 4 presenças
A próxima crónica deste balanço, será dedicada aos espaços de restauração que visitei no decorrer do ano 2015, centrando a minha atenção na componente vínica.

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

2015 : na hora do balanço (II) - TOP 10 de tintos

Com a mesma metodologia utilizada para os brancos, hoje é a vez dos tintos. E eles são:
1.Qtª Vale Meão 2004
2.Qtª Crasto Vinha da Ponte 2007
3.Três Bagos Grande Escolha 2008
4.Carrocel Late Realese 2011 e Carrossel 2008
5.Ferreirinha Reserva Especial 2007
6.Robustus 2005
7.Qtª Crasto Vinhas Velhas 2008
8.Carvalhas Vinhas Velhas 2012
9.Hexagon 2008
10.Poeira 2007
Não foram incluidos, mas tiveram a mesma nota (18,5) que os últimos 4 vinhos: Batuta 2004, Pintas 2005 (já seleccionado no balanço de 2014) e Pintas 2007, tendo sido preteridos pelo preço.
De registar:
.a presença de 4 vinhos de 2008 neste TOP 10
.os 2 primeiros da lista são vinhos excepcionais, a nível mundial, tendo-lhes atribuído 19 pontos (o máximo que tenho dado a tintos)
.os 4 seguintes ficaram lá perto, com 18,5+
.o Douro, a minha paixão em tintos, tem 11 seleccionados (8 no TOP e 3 fora)
.O Dão (com uma posição de excepção na 1ª metade da tabela) e Setúbal foram os intrusos
Quanto a vinhos a consumir na restauração, opto pelo Meandro ou pelo Monte dos Cabaços Colheita Seleccionada, sempre que disponíveis.
A terminar, a próxima crónica será dedicada aos vinhos fortificados (Porto,Madeira e Moscatel). 

domingo, 3 de janeiro de 2016

2015 : na hora do balanço (I) - Introdução e TOP 10 de brancos

Introdução
À semelhança dos anos anteriores, inicio com esta crónica o balanço do ano 2015, nomeadamente quanto aos melhores em cada categoria. Os vinhos melhor pontuados foram provados no âmbito dos grupos em que participo (Grupo dos 3, Novo Formato+ e Grupo dos Madeiras), em jantares vínicos, em família e/ou com amigos e, ainda, bebidos em restaurantes. Ressalvo, em relação aos vinhos seleccionados, que não incluo nenhum degustado em painéis de prova ou em provas alargadas, sem as condições indispensáveis a uma boa prova. Também, salvo situações excepcionais, não incluí nenhum vinho constante em balanços anteriores.
Começarei pelos vinhos brancos e, em próximas crónicas, serão tratados os tintos, fortificados, restaurantes (a componente vínica), eventos em que participei, crónicas mais lidas e países de origem dos seguidores.
TOP 10 de brancos
1.Soalheiro Alvarinho Reserva 2007 (é a excepção aos vinhos incluídos em balanços anteriores, mas é, para mim, o grande branco português; das 12 garrafas provadas e registadas, ao longo de alguns anos, só 2 foram pontuadas abaixo de 18)
2.Pai Abel 2009
3.Soalheiro Alvarinho Reserva 2012
4.Soalheiro Alvarinho 1ª Vinhas 2012
5.Soalheiro Alvarinho 1ª Vinhas 2008
6.Mapa Vinha dos Pais 2013
7.Gurú 2008
8.Carvalhas 2011
9.Secretum 2012
10.RCV Séries Samarrinho 2013
Não entraram no TOP, mas podiam estar (têm a mesma pontuação do último): Grandjó Late Harvest 2008, Poço do Lobo Arinto 1995, Soalheiro Alvarinho 1ª Vinhas 2013 e 2014, Anselmo Mendes Parcela Única Alvarinho 2011, Horácio Simões Grande Reserva Vinhas Velhas 2013, Dão António Madeira 2013 e Palpite David Booth & António Maçanita Reserva 2013.
Não estão nesta selecção, mas são sempre a minha defesa na restauração, graças à sua belíssima relação preço/qualidade: Prova Régia Reserva, Catarina e Esporão Reserva.
Finalmente, é de salientar:
.a inclusão de 4 brancos da década anterior (2007, 2008 e 2009)
.a presença clara e permanente da marca Soalheiro (agora com 4 vinhos Alvarinho seleccionados)
.a surpresa de alguns brancos, normalmente arredados das provas em que tenho participado e pouco ou nada badalados (Mapa, Carvalhas, Secretum e Séries Samarrinho).

sábado, 2 de janeiro de 2016

Rescaldo das Festas

Desenrolaram-se em 4 momentos, uns mais agitados, com crianças presentes, o que não dava para pôr na mesa vinhos de topo, outros mais calmos, já a permitirem sair da minha garrafeira uns vinhos mais entusiasmantes. Não houve tempo nem oportunidade para tomar notas, limitando-me a atribuir as respectivas classificações.
.1º momento (consoada)
Somnium 2012 branco do Douro (16) com mini pastéis de bacalhau e mini croquetes, Qtª do Carvalhão Torto 2008 tinto do Dão (16,5) com um prato de bacalhau no forno, Graham's 20 Anos (17,5) e FMA Bual 1964 (18,5) com as sobremesas.
.2º momento (almoço de Natal)
Ferreirinha Reserva Especial 2007 (18,5) em grande forma e ainda para durar, e Qtª Vale Meão 2007 (17,5+) já na curva descendente, com um cabrito no forno, vindo directamente do restaurante Descobre. Os mesmos fortificados servidos na véspera acompanharam as sobremesas.
.3º momento (jantar de fim de ano)
Reguengo de Melgaço Alvarinho 2010 (16) com camarões, Grandes Quintas Vinha do Cerval 2011 (18,5), uma grande surpresa e o tinto que mais gostei quando andei nas provas do EVS 2015 e que, no painel tintos do Douro, organizado pela RV, ficou a par do Pintas e do Poeira, entre outros vinhos credenciados, a acompanhar uma série de petiscos. Com as sobremesas avançaram o Grandjó Late Harvest 2008 (17) e o Borges Malvasia 30 Anos (17,5).
4º momento (almoço de ano novo)
Foi na Casa do Bacalhau, com bacalhau Riberalves, pastéis do mesmo e pasta de azeitona. Tudo isto com água a acompanhar, para compensar os excessos das festas!