terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Coisas do Arco do Vinho (CAV) : ascensão e queda de uma loja emblemática

Ao fazer o balanço vínico de 2016, que começarei a publicar na próxima semana (TOP 10 de vinhos brancos, tintos e fortificados, serviço de vinhos em espaços de restauração, principais eventos e crónicas mais lidas), deparei-me com uma situação de grande tristeza - o encerramento das CAV, 20 anos depois.
É, de facto, muito triste constatar que a nossa (do Juca e minha) grande aposta, a de uma loja de referência na área vínica, se finou sem honra nem glória.
Quando nos retirámos, nos primeiros dias de Março 2010, a nossa missão estava cumprida. Ao longo de 13 anos e meio em que estivémos ao leme das CAV (importa frisar que era ponto de honra um de nós estar sempre presente), podemos registar para memória futura, o que fomos conseguindo, com o apoio dos nossos amigos e clientes:
.4 áreas de negócio (vinhos de qualidade, acessórios para o serviço do vinho, produtos de mercearia fina e livraria especializada)
.jantares e provas de vinhos
.organização de visitas a produtores
.painel de prova cega, constituído por clientes (45 painéis que envolveram 21 provadores e cerca de 630 vinhos)
.contacto regular com envio de notícias a cerca de 1500 destinatários
.aconselhamento permanente aos clientes, nomeadamente nas harmonizações com a comida
.lançamentos editoriais e exposições temáticas
.aposta forte na comemoração do 10º aniversário (jantar vínico alargado a mais de 200 pessoas, edição de uma brochura com prefácio de António Barreto e lançamento do vinho CARM BOCA 2004, cujo lote final foi da nossa responsabilidade)
De tudo isto, resultou:
.A Melhor Garrafeira em 2001, galardão atribuído pela Revista de Vinhos
.Arch of Europe Award for Quality and Technology, prémio atribuído pelo BID (Business Initiative Directions)
.inclusão na publicação "Ideias, Conceitos e Marcas - Estudos de Casos", editada pelo Gabinete de Apoio aos Novos Empresários do Comércio
.referências elogiosas nos principais órgãos de comunicação social portugueses
.recomendação na maior parte dos guias turísticos sobre Lisboa
Quando da elaboração da brochura comemorativa, inventariámos (até ao final de Junho 2006):
.65 jantares de vinhos em que participaram cerca de 6000 enófilos que tiveram acesso à fina flor do que se produzia em Portugal (entre tantos, destaque para o lançamento do Barca Velha 1991 e do Pera Manca 1997)
.47 provas na Loja com a assistência de cerca de 2350 amigos e clientes
.14 visitas a produtores que incluiu cerca de 420 militantes
Já fora das nossas mãos, o projecto sofreu profundas, sensíveis e irreversíveis alterações (a Loja encolheu, a clientela fiel e exigente desapareceu, os jantares vínicos terminaram, etc). Uma pena!
Azar ou falta de engenho e arte?

8 comentários:

  1. Francisco parece que vai reabrir, debaixo do chapéu de chuva Estado de Alma.
    Abraço e bom ano.

    ResponderEliminar
  2. sim, será estado d'alma.

    fui lá muito, ainda no tempo da loja grande e antes de 2010. as últimas coisas que provei vindas da CAV foram um júlia kemper de 2009 e o lagar de macedos 2003.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caros Rui e Luis,
      Obrigado pelas vossas intervenções. Não escrevi, mas já sabia que o espaço estava reservado para mais uma loja da garrafeira Estado de Alma.
      Um bom 2017, com saúde e boas pingas.

      Eliminar
  3. Claro que assino por baixo,carissimo Xico.Soube-me bem esta ida ao passado e ler o teu texto que são as memórias que devemos recordar.O resto é a vida.....devemos pensar no futuro e sonhar bonito.Azar ou falta de engenho e arte não é nosso problema.Ok ? Um forte abraço Juca

    ResponderEliminar
  4. Obrigado Juca pelo comentário. Nós temos toda a legitimidade para estarmos orgulhosos pelo trabalho que fizemos.

    ResponderEliminar
  5. Concordo com o texto apresentado e também com a afirmação do JUCA. Vivemos belos momentos em conjunto à volta do vosso projeto de grande sucesso. Agora devemos continuar a sonhar e partilhar das experiências recolhidas e que bem merecem ser enaltecidas.

    ResponderEliminar
  6. Foi e vai ser SEMPRE recordada como a melhor garrafeira de Lisboa.
    Aprendi tudo com estes 2 SENHORES,para mi foram 13 anos de grande SORTE.
    ANA (ex CAV)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Ana,
      Fico muito sensibilizado pelas suas palavras. Bem haja!
      Bjs

      Eliminar