terça-feira, 7 de março de 2017

Vinhos em família (LXXIX) : Barca Velha e outros

Mais uns tantos néctares provados em família e com amigos, com os rótulos à vista e sem a pressão da prova cega. Correspondendo todos às minhas expectativas, foram:
.Pêra-Manca 2013 branco - com base nas castas Antâo Vaz e Arinto, estagiou 12 meses nas borras finas e 6 meses em garrafa; presença de citrinos e fruta madura, notas abaunilhadas, acidez equilibrada, boca envolvente e muito gastronómico. Precisa de comida por perto... Nota 17,5.
.Barca Velha 2008 (garrafa nº 4935/18150) - aroma fino, ainda com muita fruta vermelha, notas florais e balsâmicas, acidez no ponto, especiado, taninos de veludo, notável estrutura e final de boca longo. Harmonioso, elegante e sofisticado, será talvez o melhor Barca Velha de sempre. Em forma mais 10/12 anos. Nota 19 (noutra situação, também 19).
.Qtª Vale Meão 2008 - aromas terciários, alguma fruta, acidez equilibrada, especiado, notas de tabaco e chocolate, taninos civilizados, algum volume e final de boca persistente. Está no ponto óptimo de consumo, mas pode ser bebido nos próximos 4/5 anos (noutra 17,5+).
.Moscatel de Setúbal 25 Anos (engarrafado em 1973) - frutos secos, casca de laranja, notas de brandy e mel, doçura compensada por uma bela acidez, volume e final de boca assinaláveis. Uma raridade! Nota 18.

Sem comentários:

Enviar um comentário