terça-feira, 22 de agosto de 2017

O Vinho que Lisboa tem : prós e contras

1.Introdução
Tomei conhecimento, ao ler a última revista VINHO Grandes Escolhas que lhe dedica uma página, da saída do livro"O Vinho que Lisboa tem", elaborado pela jornalista Ana Cristina Marques e editado pela Caminho das Palavras.
Pode ler-se na contra-capa que "Este guia pretende levar o leitor a conhecer as quintas produtoras de vinho, com valência de enoturismo, na Região de Lisboa, mas também os wine bars onde se serve vinho a copo e os petiscos tradicionais chegam à mesa. Ao todo, estão contempladas 16 quintas, 26 wine bars e ainda 10 garrafeiras".
2.Prós
É uma obra meritória que veio ocupar um espaço ainda não preenchido.
Na 1ª parte, para cada uma das quintas inventariadas, foi elaborada uma ficha onde consta uma pequena história e informação indispensável para quem as queira visitar (contactos, horários, preços,...).
Na 2ª parte, a autora pretendeu ser exaustiva, mas ficaram de fora, pelo menos 2 wine bars:
.Lisbon Winery (no Bairro Alto) que faz parte dos nomeados para os Prémios W 2017, a atribuir pelo crítico Aníbal Coutinho, na categoria "Melhor Bar de Vinho".
.Nova Wine Bar (no Chiado) com boas classificações nas plataformas internacionais Zomato e Tripadvisor.
3.Contras
É na 3ª e última parte, dedicada às garrafeiras de Lisboa, que a autora não fez o trabalho de casa, ao inventariar apenas 10 garrafeiras, quando há pelo menos 30, algumas delas tão ou mais merecedoras que as indicadas.
Mais, se esta selecção da autora pretende ser um Top 10, há 2 ou 3 que não merecem tal honroso lugar, em minha opinião.
Caso a autora esteja a pensar numa 2ª edição, passo a inventariar as garrafeiras olvidadas:
.Néctar das Avenidas (na Luis Bivar), talvez a garrafeira de Lisboa que melhor trata o vinho e a única que organiza regularmente jantares vinicos, visitas a produtores e o evento Bairradão. Indesculpável esta omissão!
.Empor Spirits & Wine (na Castilho), outra garrafeira que periodicamente organiza provas de vinhos
.Delidelux (em Santa Apolónia e Alexandre Herculano), mais uma a organizar sessões vínicas
.Loja Gourmet do El Corte Inglês, uma referência
.Casa Macário ( na Baixa), um clássico
.Mercado da Praça da Figueira (na Baixa), com uma boa oferta de fortificados
.Vinhos de Selecção (na Baixa)
.Dom Pedro (na Baixa)
.Sister's Gourmet (na Baixa)
.Garrafeira de Lisboa (no campo Pequeno), ainda recentemente objecto de reportagem na revista VINHO Grandes Escolhas
.Charcutaria Moy (no Principe Real)
.Garrafeira Internacional (no príncipe Real)
.Garrafeira São João (em Benfica)
.Garrafeira da Luz (na Estrada da Luz)
.Wine Company (na Barão de Sabrosa)
.Living Wine (na Avenida de Roma)
.Wine Guest (em Belém)
.Portugal Wine Room (em Alvalade)
.Agrovinhos (em Alcântara)
.La Pétillante (em Campo de Ourique)
E, ainda mais:
.Quando refere que a Estado d'Alma tem 3 lojas, não menciona a do CCB que veio a ocupar o espaço da mediática Coisas do Arco do Vinho
.Também não identifica as restantes lojas da Garrafeira Nacional e do Napoleão
.Quando explica como se deve guardar um vinho fortificado em casa, afirmando que devem estar em pé, esqueceu-se de esclarecer que isto não se aplica aos vinhos que evoluem na garrafa, como é o caso do Porto Vintage e até de LBVs.
Finalmente, um apelo aos seguidores deste blogue: a lista das garrafeiras poderá estar incompleta. Querem acrescentar mais alguma?

1 comentário:

  1. Wines 9294 em Telheiras. Está mencionada?
    Cumprimentos,
    João Seiça

    ResponderEliminar