sábado, 2 de setembro de 2017

Casta 85 : uma surpresa em Alenquer

O "85" tem a haver com a data de nascimento do chefe João Simões (Bica do Sapato, Ritz, Altis Belém e Bistrô 100 Maneiras), responsável pelos tachos e um dos donos deste agradável espaço. A cozinha é aberta, as mesas despojadas e os guardanapos de pano.
A aposta gastronómica é na cozinha tradicional, mas com um toque moderno, apresentando 18 petiscos, 5 canjas e cremes, 7 entradas, 7 pratos de peixe, 6 pratos de carne e umas tantas sobremesas.
Em recente visita escolhi 2 petiscos (salada caldosa de duas orelhas de porco e camarão salteado com alho, coentros e limão) e a canja de bacalhau com ovo escalfado, torricado e poejo. A terminar, a tarte de limão merengado com sorvete e macarron de limão, hortelã e lima. Tudo com muita qualidade, bem apresentado e em doses generosas.
Quanto à componente vínica, inventariei 5 espumantes, 3 champanhes, 1 cava, 62 brancos (dos quais 17 da Região Lisboa), 58 tintos (dos quais 14 da Região Lisboa), 6 rosés e, ainda, 9 colheitas tardias, 16 vinhos estrangeiros, 3 Madeiras e 2 Moscatéis (não encontrei nenhum Porto, o que é estranho), na generalidade datados. Os verdes estão separados dos restantes brancos, um erro usual na restauração.
É uma oferta, à partida, de louvar. Mas, no entanto e lamentavelmente, as falhas (não assinaladas na carta) são mais que muitas, o que é indesculpável, pois algumas são de vinhos de produtores mesmo ali ao pé.
Por outro lado, não apostaram no vinho a copo. Nas visitas que fiz, optei por mandar vir uma garrafa e levar as sobras para casa.
Nesta última escolhi o Qtª Lagar Novo Viognier Reserva 2015 (na carta ainda constava o 2013) - estagiou 9 meses em barrica, que ainda está muito presente; pouco frutado, acidez equilibrada, notas balsâmicas e amanteigadas, algum volume e final de boca adocicado. Gastronómico, a precisar de comida por perto. Nota 16,5.
A garrafa veio à mesa e o vinho dado a provar em bom copo. Serviço eficiente e simpático.
Em conclusão, uma boa surpresa em Alenquer, com o chefe João Simões inspiradíssimo. Pena é que a componente vínica não esteja, ainda, à altura.
Uma curiosidade final: uma das paredes do WC masculino está forrada, de cima a baixo, com rolhas das garrafas, enquanto que no WC feminino são botões. Desigualdade de género?

Sem comentários:

Enviar um comentário