domingo, 15 de outubro de 2017

Enoturismo no Minho (I) : Introdução

Esta incursão na Região Demarcada dos Vinhos Verdes, vem na sequência das viagens ao Dão (1ª crónica, publicada em 8/10/2016, de uma série "Enoturismo no Dão") e ao Douro (1ª crónica, publicada em 14/4/2017, de uma série "Enoturismo no Douro"), todas elas organizadas pela agência cultural Tryvel. Mais uma vez, os responsáveis por mais uma inesquecível jornada foram a dupla Rui Nobre (o promotor destas viagens enoturísticas) e a Maria João Almeida (jornalista, crítica de vinhos, autora do livro "Guia do Enoturismo em Portugal" e a animadora no terreno). Remeto para o livro da Maria João, cuja 2ª edição já está no mercado e que recomendo, o desenvolvimento das histórias de cada produtor e demais informações úteis.
A Tryvel tem ainda previstas viagens à Bairrada e à Madeira. Estejamos atentos. Mais informações em tryvel.pt/trywine.
Num fim de semana alargado (sábado, domingo e 2ª feira) tivemos a oportunidade de visitar a Qtª da Lixa, a Qtª da Aveleda, a Qtª do Ameal e o imperdível Palácio da Brejoeira. Almoços no Largo do Paço (Hotel Casa da Calçada, em Amarante), Ferrugem (Portela de V.N.Famalicão) e Qtª do Prazo (Valença). Jantares no Hotel Monverde (onde ficámos na 1ª noite) e em A Cozinha Velha (Ponte de Lima), tendo o grupo ficado no Hotel InLima (na 2ª noite).
Provámos, no decorrer desta viagem 13 vinhos brancos e bebemos às refeições mais 14 brancos e 2 tintos. No total 29 vinhos. É obra!
Foi uma espécie de ditadura dos brancos desta região, pois dos tintos (salvo raríssimas excepções) não reza a história.
Em próximas crónicas, que poderão não ser consecutivas, desenvolverei as minhas impressões sobre os locais citados.
continua...

Sem comentários:

Enviar um comentário