terça-feira, 17 de outubro de 2017

Enoturismo no Minho (II) : Casa da Calçada

Neste primeiro dia, após algumas horas de viagem num incómodo autocarro, que seria substituido no dia seguinte, poisámos no Largo do Paço, o restaurante da Qtª da Calçada, com direito a uma estrela Michelin, onde na cozinha pontifica o chefe Tiago Bonito, com provas dadas no Lisboeta (restaurante da Pousada de Lisboa).
Fomos recebidos na acolhedora esplanada do hotel e obsequiados com uma bebida de boas vindas que, no meu caso, foi o espumante Qtª da Calçada Bruto servido em flute Riedel.
Já na magnífica e requintada sala do restaurante, tivemos direito a um almoço de excelência que foi, para mim, o ponto mais alto desta incursão no Minho. Na mesa, no lugar de cada um, estava um folheto com a  ementa do repasto, embora sem referência aos vinhos que iriamos beber.
O enólogo responsável pelos vinhos da Qtª da Calçada é o João Maria Cabral de Almeida, de cujo portefólio provámos/bebemos o Loureiro/Alvarinho 2016 - muito fresco, cítrico e acídulo, elegante e harmonioso, volume e final de boca médios (nota 16,5).
Gastronómico, harmonizou bem com as belíssimas tapas iniciais (ravioli com ostra e sapateira, chip de batata recheada e outra que já não recordo) e uma saborosa entrada de carpaccio de polvo, pimento fumado, azeitona e terrincho.
Seguiu-se o tinto Terras do Grifo 2013 - com base nas castas Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinto Cão e Sousão; aroma intenso, muita fruta preta, acidez equilibrada, notas especiadas, volume e final de boca assinaláveis (nota 17). Lamentavelmente, a temperatura estava acima do recomendável, mas veio de imediato uma 2ª garrafa com a temperatura correcta.
Acompanhou um excelente borrego de leite, cenoura, açafrão e molho do assado.
Quanto à sobremesa, foi-nos servida castanha assada, jeropiga (em gelado) e erva doce. Bingo!
De louvar, ainda, os seguintes aspectos altamente positivos:
.copos Riedel na mesa
.os vinhos chegaram à mesa antes da comida
.os pratos, além da muita qualidade, estavam muito bem apresentados
.serviço profissional, com destaque para o escanção (só faltou mesmo as luvas brancas...)
.garrafeira climatizada com capacidade para mais de 1000 garrafas!
.no final do repasto, o chefe e a equipa da cozinha (uma dúzia, bem contada) vieram à sala
Em Amarante ainda tive a ocasião de visitar o Museu Municipal Amadeu Sousa Cardoso e a imperdível Garrafeira Casa da Villa (R. 31 de Janeiro,43), com um excelente portefólio e preços amigáveis.

Sem comentários:

Enviar um comentário