quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Pesqueiro 25 : sim, mas...

Perante tantos elogios ao Pesqueiro 25 (R. Nova do Carvalho,15-1º andar, ao Cais Sodré), não resisti à curiosidade e, recentemente, fui visitá-lo. Como não sou um grande amante de marisco, mostrei, ao empregado que me atendeu, interesse no menú de almoço do qual tive conhecimento através da net. Qual foi o meu espanto ao dizer-me que desconhecia tal facto, pois nem sequer constava na ementa. Foi um dos sócios, que se apercebeu da conversa, que me ajudou. De facto, existe mesmo um menú de almoço a 15,25 €, com direito a sopa de legumes, prego de atum, bebida "soft" e café. De lamentar que não conste da lista, nem os empregados saibam de tal coisa. Mistérios insondáveis do Pesqueiro 25...
Este espaço fica no 1º andar de um hotel, embora independente na sua gestão por parte dos sócios, dos quais faz parte o chefe João Mendes, responsável pelos tachos e fogões, que muito simpaticamente foi à minha mesa e falou comigo mais de uma vez. Mesas despojadas, como está na moda, louça e guardanapos personalizados, a contrastar. Ambiente pesado, com a predominância do negro (teto, cadeiras, algumas mesas e paredes). Como mais valia, no tempo frio, no dia em que fui estavam a inaugurar a lareira.
Em abono da verdade, tudo o que comi, tanto a sopa de legumes como o prego de atum dos Açores em bolo do caco, sucolento e avantajado, estavam muito bons. O prego, neste momento, deve ser o melhor que se pode encontrar em Lisboa.
A carta de vinhos precisa de levar uma grande volta. Os anos de colheita e os fortificados não constam, os vinhos "verdes" estão àparte e a copo só o vinho da casa. Inventariei 4 espumantes, 4 champanhes, 19 brancos (3 são colheita tardia), 8 tintos e 4 rosés. Cervejas, só as industriais, o que é uma pena num espaço que aposta forte na mariscaria.
Bebi um copo do Papa Figos 2016 - com muita fruta e a irreverência da idade, alguma acidez, taninos dóceis, algum volume e final de boca curto. Simples e correcto, é para beber novo. Nota 16.
A garrafa veio à mesa e o vinho dado a provar num copo adequado e a uma temperatura aceitável.
No final, muito simpaticamente e para compensar os deslizes iniciais, não me cobraram o copo de vinho.
Pazes feitas!

Sem comentários:

Enviar um comentário