terça-feira, 24 de abril de 2018

Jantar Osvaldo Amado

O último jantar vínico organizado pela Garrafeira Néctar das Avenidas, em que estive presente, foi com o Osvaldo Amado, enólogo galardoado pela Revista de Vinhos (a antiga),  responsável há uma série de anos pelos vinhos da Global Wines (ex Dão Sul) e um senhor do vinho que eu muito prezo.
O evento decorreu no restaurante Refúgio (em Algés), dos mesmos donos do Frade dos Mares. É um espaço acolhedor e situado numa zona sossegada, mas nada vocacionado para este tipo de eventos. A comida tinha qualidade e vinha muito bem apresentada, os copos eram bons, mas o serviço de vinhos foi um desastre (troca de vinhos, esquecerem-se de servir alguns dos vinhos a todos os participantes,...). O ritmo foi bom até quase ao final, mas depois travou, com a sobremesa a ser servida já era Sábado...
Foram apresentados os seguintes néctares, a maioria esmagadora do Dão:
.Espumante Qtª de Cabriz Bruto 2013 em garrafa magnum - foi a bebida de boas vindas e cumpriu a sua missão, acompanhando uns tantos canapés.
.Casa de Santar Vinha dos Amores Encruzado 2014 - fresco, presença de citrinos e maçãs, notas florais e amanteigadas, algum volume e final de boca. Gastronómico. Nota 16,5.
Harmonizou com uma deliciosa dourada com arroz de bibalves.
.Paço dos Cunhas Vinha do Contador 2014 (garrafa nº 2925/4472) - mais mineral que o anterior, fruta cítrica, belíssima acidez, volume médio e final de boca longo. Fino e elegante. Nota 17.
Acompanhou coelho com puré de ervilhas.
.Casa de Santar Vinha dos Amores Touriga Nacional 2011 - aroma intenso, ainda com fruta vermelha, notas florais e especiadas, acidez equilibrada, taninos civilizados, volume e final de boca assinaláveis. Um belíssimo Touriga de um ano excepcional. Boa relação preço/qualidade. A beber nos próximos 6/7 anos. Nota 18.
.Vinha do Contador Grande Júri 2011 (garrafa nº 1853/5200) * - com base nas castas Touriga Nacional, Aragonez e Alfrocheiro, estagiou 18 meses em barricas de carvalho francês; submetido a um júri nacional e internacional obteve 95,3 pontos, ficando com direito a constar no rótulo a menção Grande Júri; nariz contido, ainda muito frutado, acidez q.b., taninos redondos, alguma complexidade, estruturado e final de boca persistente. A beber nos próximos 4/5 anos. Relação preço/qualidade desfavorável (custa praticamente 4 vezes mais que o Touriga). Nota 18.
Estes 2 tintos maridaram com rabo de boi e puré de batata.
.Encontro 1 2013 (Bairrada) - presença de citrinos e fruta madura, acidez no ponto, notas amanteigadas, complexidade, volume e final de boca notáveis para um branco. Nota 17,5+.
Acompanhou uma tábua de queijos. A  ligação perfeita!
.Outono de Santar Colheita Tardia 2012 - com base na casta Encruzado; notas de mel e passas, alguma acidez e gordura, bem estruturado e final de boca médio. Nota 16,5+.
Acompanhou leite creme de ouriço (confesso que não percebi esta do ouriço!).
* Este vinho não estava previsto ser provado neste jantar mas, por simpatia do Osvaldo Amado, algumas das 1000 garrafas que ficaram em Portugal vieram para a nossa mesa.

Sem comentários:

Enviar um comentário