sábado, 23 de junho de 2018

Grupo dos 3 (59ª sessão) : 1 branco e 1 tinto de excelência

Após um longo interregno (a 58ª sessão foi em Novembro 2017, no Lumni, com vinhos da minha garrafeira), este grupo de enófilos da linha dura reuniu-se no restaurante Via Graça. A escolha foi do João Quintela, com vinhos da sua garrafeira.
O Via Graça, já aqui referido por diversas vezes, dispensa apresentações. A comida, o serviço de vinhos, os copos e a vista, pois claro, são de primeira qualidade.
Desfilaram, às cegas:
.5ª de Mahler 2000 - com base na casta Fernão Pires; cor dourada, aromas e sabores terciários, glicerinado, acidez fabulosa, volume e final de boca apreciáveis. Complexo e gastronómico, este surpreendente branco, com uma relação preço/qualidade imbatível, é uma das minhas paixões e não me canso de o beber. Nota 18.
Acompanhou diversos patés e pastéis de bacalhau.
.Kompassus Verdelho 2015 - mais fresco e mineral, presença de citrinos, bela acidez, volume e final de boca médios. Fino e elegante. Nota 17.
Não se aguentou com um saboroso robalo com arroz cremoso de lingueirão e espuma de ostras. Este Kompassus teria harmonizado melhor com as entradas, enquanto que o primeiro branco esteve melhor com este prato.
.Vinha Othon Reserva 2008 - com base nas castas Touriga Nacional, Jaen e Tinta Roriz; aroma intenso e complexo, ainda com fruta vermelha, especiado, acidez no ponto, taninos sedosos, volume e final de boca apreciáveis. Ainda longe da reforma, a beber nos próximos 8/10 anos. Nota 18,5.
Maridou com uma costoleta de vitela grelhada.
.Porto Wine & Soul 10 Anos - muito frutado, alguma acidez e gordura, volume e final de boca médios. Foi o elo mais fraco. Nota 16,5.
Acompanhou crepes Suzete feitos à nossa frente.
Mais uma boa sessão de comeres e beberes. Obrigado João!

Sem comentários:

Enviar um comentário