segunda-feira, 25 de junho de 2018

Vinhos em família (LXXXIX) : brancos e tintos em alta

Mais uns tantos vinhos provados em família, sossegadamente e sem a pressão da prova cega. E eles foram:
.Poço do Lobo Arinto 1995 (12 % vol.) - com base na casta Arinto (a 100 %); cor dourada e brilhante, presença de citrinos, maçãs e alperces, oxidado, belíssima acidez, notas amanteigadas, algum volume e final seco. Precisa de comida por perto. Nota 17.
.Conceito Ontem 2016 branco (11,5 % vol.) - a sul do Douro e sem direito a DOC; com base em castas brancas e tintas de vinhas velhas (80 a 100 anos) a 700 metros de altitude, estagiou em barricas de carvalho francês usadas (20 %); presença de citrinos, muito fresco e mineral, acidez evidente, alguma estrutura e final de boca. Fino e elegante, precisa de tempo para se mostrar. Acompanha bem entradas leves. Nota 17,5.
.Qtª do Perdigão Touriga Nacional 2009 (14 % vol.; garrafa nº 6419/6500); estagiou 1 ano em barricas de carvalho francês; nariz contido, alguma fruta, notas florais, acidez no ponto, algum volume e final de boca. Fino e elegante, a consumir até 6/7 anos. Nota 17,5.
.Vallado Touriga Nacional 2009 (14,5 % vol.) - 95 pontos na Wine Spectator e 92 no Parker e na Wine Enthusiast; estagiou 16 meses em meias pipas de carvalho francês; nariz exuberante, ainda com fruta vermelha, acidez equilibrada, bom volume e final de boca persistente. Concentrado e taninoso, a beber nos próximos 5/6 anos. Nota 18.
.Dona Maria Grande Reserva 2011 (14,5 % vol.) - o melhor vinho do ano 2016 para a revista Wine; com base nas castas Alicante Bouschet, Touriga Nacional, Petit Verdot e Syrah em vinhas velhas, estagiou 12 meses em barricas novas de carvalho francês; frutado, carnudo, acidez no ponto, especiado, taninos sedosos, algum volume e final de boca persistente. Muito harmonioso, está no ponto óptimo de consumo. Nota 18.

Sem comentários:

Enviar um comentário