terça-feira, 10 de julho de 2018

Grupo dos 3 (60ª sessão) : 1 tinto e 1 Madeira de eleição

Esta sessão foi da responsabilidade do Juca que escolheu o restaurante As Colunas e pôs à prova 2 tintos e 2 fortificados da sua garrafeira. Nos tachos pontificou a Fátima (saborosíssimo empadão de lebre!) e na sala a Joana.
Servidos em copos Riedel, foram provados às cegas:
.Messias Dry Old - nariz contido, presença de frutos secos e tangerina, acidez curta, volume e final médios. Equilibrado e elegante. Nota 17.
Não ligou muito bem com queijo fresco, pastéis de bacalhau e de massa tenra (belissimos).
.Qtª da Pellada 49 2013 - 90 pontos no Parker; com base nas castas Touriga Nacional e Alfrocheiro, estagiou 28 meses em barricas de carvalho francês; aroma discreto, alguma fruta e acidez, notas florais, algum vegetal e lagar, taninos presentes, volume médio e final de boca persistente. A beber nos próximos 8 a 10 anos. Nota 17,5.
.Qtª do Crasto Touriga Nacional 2005 - 96 pontos na Wine Spectator; estagiou 18 meses em barricas de carvalho francês; nariz intenso, muita fruta, notas florais, acidez no ponto, especiado, taninos civilizados, grande volume e final de boca notável. Muito complexo e longe da reforma. A beber nos próximos 7/8 anos. Um grande Douro! Nota 18,5+ (a mesma nota noutra situação).
Estes 2 tintos harmonizaram bem com o empadão de lebre.
.FMA Bual 1964 - aroma intenso e complexo, presença de frutos secos, iodo e vinagrinho, notas de brandy e caril, taninos ainda muito presentes, volume notável e final de boca impressionante. Grande Madeira! Nota 19,5.
Este fortificado foi acompanhado por uma tarte de amêndoa.
Foi mais uma boa jornada de comeres e beberes. Obrigado, Juca!

Sem comentários:

Enviar um comentário