quinta-feira, 4 de outubro de 2018

Almoço com Vinhos Fortificados (30ª sessão) : uma jornada muito didáctica

Depois de uma grande jornada em Porto Covo, este Grupo dos Madeiras teve outra em S. Francisco da Serra, "chez" Juca. O anfitrião foi acolitado pela filha (Mila), responsável pelo arroz de polvo, e pelo genro (Pedro) no serviço de vinhos.
O vinho de boas vindas foi um espumante Soalheiro, a cumprir a sua função. Já com os participantes sentados, desfilaram:
.Vinha da Urze Reserva 2014 - produzido pela CARM, a partir das castas Rabigato (45 % ), Códega do Larinho (45 %) e Gouveio (10 %), 13 % vol.; nariz contido, presença de citrinos, equilibrio entre a acidez e a gordura, volume e final de boca a ter em consideração. Gastronómico, excelente relação preço/qualidade e uma boa surpresa para mim que o não conhecia. Nota 17,5.
Este branco e o espumante acompanharam uma série de entradas (queijo fresco,cacholeira, presunto com figos, ovos de codorniz, perdiz desfiada,etc.
.Soalheiro Alvarinho 1ª Vinhas 2014 magnum - cor doirada e brilhante, nariz exuberante, cítrico, notas tropicais e amanteigadas, boa acidez e complexidade, algum volume e final de boca persistente. Um belo alvarinho a evoluir muito bem. Nota 18 (noutras situações 17,5+/17,5/18).
Casou bem com um saboroso arroz de polvo.
Artur Barros e Sousa Sercial 1980 - muito seco, algum vinagrinho e iodo, taninos dóceis, algum volume e final de boca longo. "Low" profile. Nota 17,5+.
Este Madeira serviu para limpar o palato.
Seguiu-se uma vertical do Qtª do Crasto Reserva Vinhas Velhas, muito pedagógica e bem conseguida. Na ausência de notas de prova, limito-me a indicar as minhas pontuações:
.2007 - 18 (noutras situações 17/17,5/17,5+/17,5+/17,5/18)
.2008 - 18 (noutra 18,5)
.2009 - 17,5+
.2010 - 17 (noutra 17,5+)
.2011 - 18,5 (noutras 17,5+/18,5/18/18)
Surpreenderam-me, pela positiva o 2009 e 2007 e pela negativa o 2010. Confirmaram o 2008 e 2011.
Estes 5 tintos maridaram com um excelente rabo de boi estufado com puré de batata, um dos ex-libris do anfitrião.
.Artur Barros e Sousa Terrantez 1981 - nariz expressivo, frutos secos, notas de caril e brandy, boa acidez, taninos firmes, bem estruturado e final de boca muito longo. Nota 18,5 (noutra também 18,5).
.Dow's Qtª do Bonfim Vintage 1987 - ainda com muita fruta, acidez equilibrada, taninos de veludo, volume e final de boca médios. Demasiado discreto. Nota 17.
Estes 2 fortificados acompanharam uma tábua de queijos, bolo de Santiago, uma marmelada feita pelo Juca, etc.
Foi mais uma grande sessão de convívio, comeres e beberes e deveras didáctica.
Obrigado, Juca!

2 comentários:

  1. SÓ A TUA SIMPATIA,FRUTO DE UMA GRANDE AMIZADE,PODEM JUSTIFICAR O TEU ELOGIO.
    PARA O PRÓXIMO VOU TENTAR ADEQUAR MELHOR A REALIDADE AOS TEUS LOUVORES.UM ABRAÇÃO JUCA

    ResponderEliminar
  2. O elogio é mais que merecido. No meu blogue não faço favores a ninguém, nem sequer aos amigos mais próximos.
    Abração

    ResponderEliminar