sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Jantar com vinhos da Madeira : puro prazer !

O desafio foi lançado por um de nós (João Quintela, se bem me lembro), um jantar acompanhado por vinhos da Madeira, a ter lugar na Enoteca de Belém. A ligação gastronómica não é nada fácil e impunha-se uma ajuda externa ao nosso grupo. Solução encontrada : pormos em contacto a Enoteca, concretamente o Nelson, com o Francisco Albuquerque, o conhecido e reputado enólogo da Madeira Wine. As dicas do Francisco, complementadas por alguma pesquisa na net, permitiu à Enoteca conceber a melhor ligação dos vinhos, concretamente das castas Cerceal, Verdelho e Bual, com a comida. O casamento encontrado teve a nossa adesão e os vinhos provados brilharam a grande altura. Puro prazer !
Ficámos descansados com o Nelson nos tachos e o Ângelo no serviço de vinhos, a merecerem, mais uma vez, nota alta.
Antes da brigada da Madeira entrar em acção, bebemos 2 brancos, um madeirense e outro açoreano, que acompanharam o "amuse de bouche", à base de camarão e lagosta em molho ácido. Foram eles :
.Primeira Paixão Verdelho 08 (trazido pelo nosso amigo Adelino de Sousa, madeirense radicado em Lisboa e grande conhecedor e coleccionador de vinhos da Madeira e outros fortificados) - fresco e elegante, tropical, boa presença na boca, um branco com personalidade. Teve uma bela evolução. Nota 17,5 (noutra situação 16,5).
.Terras de Lava 09 (simpática oferta da Enoteca) - muito discreto, perdeu o confronto com o madeirense. Nota 15,5.
Depois deste intróito, entrámos na parte séria do repasto, a saber :
.Cossart Sercial 60 (levado por mim) - ligeiramente turvo, frutos secos, caril, secura não agressiva, boca poderosa, final longo. Nota 18,5. Acompanhou a 1ª entrada de salmão fumado e maracujá.
.Blandy Verdelho 77 (engarrafado em 2004; trazido pelo Juca) - cristalino, especiado, caril bem presente, muito fino e elegante, bom final de boca. Nota 18+ (noutras situações 18,5/17,5+/17/17,5+/18). Acompanhou a 2ª entrada de paté com geleia de moscatel.
.Miles Bual 34 (trazido pelo Adelino de Sousa) - aroma complexo, especiarias, frutos secos, notas de mel, iodo, vinagrinho q.b., boca enorme, elegância apesar disso, final interminável. Um assombro! Nota 19,5.
Acompanhou o prato principal, uma excelente empada de pato em cama de cogumelos.
.Boal Solera 1814 ( mais um Madeira do nosso amigo Adelino) - garrafa aberta em 23/10, saúde espectacular, aroma limpo e complexo, belíssima acidez, boca poderosa, final imenso. Agrande surpresa da noite. Nota 18,5.
Acompanhou muito bem as sobremesas (bolo de mel, bolo rainha e bolo conventual).
Grande e inesquecível jornada! Obrigado a todos intervenientes!

Sem comentários:

Enviar um comentário