quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Grupo dos 3 (64ª sessão) : um branco de Lisboa a impor-se

A última sessão deste núcleo duro de militantes decorreu no Magano, com vinhos do João Quintela.
Gastronomia e serviço de vinhos à altura dos acontecimentos, como era de esperar.
Desfilaram:
.Qtª da Boa Esperança 2016 (V. R. Lisboa) - com base na casta Arinto (100 %); nariz discreto, fresco e mineral, acidez fabulosa, volume e final de boca assinaláveis (13,5 % vol.). Fino e elegante, tem pernas para andar mais uns tantos anos. Uma agradável surpresa vinda da Zibreira (Carvoeira). Nota 17,5+.
Harmonizou com queijo fresco, saladas de bacalhau e de polvo, cogumelos recheados, peixinhos da horta e torresmos e, ainda, uma saborosa sopa de cação que fica a ganhar à da Casa do Alentejo.
.Qtª da Ponte Pedrinha Reserva 2005 (Dão) - com base na casta Touriga Nacional, estagiou em barrica; fresco e ainda com fruta vermelha, acidez no ponto, taninos ainda presentes, algum volume e final de boca persistente. Grande relação preço/qualidade, mas a faltar-lhe a complexidade de um grande tinto do Dão (15 % vol.). Nota 17.
Casou com um arroz de pombo bravo.
.Borges Malvasia 15 Anos - nariz discreto, presença de frutos secos e iodo, alguma acidez mas a faltar-lhe o vinagrinho típico dos Madeiras, taninos vigorosos, algum volume e final de boca. Nota 17,5.
Acompanhou alguma doçaria conventual.
Boa sessão gastronómica, com o vinho branco a impor-se ao tinto e ao fortificado. Obrigado João!

terça-feira, 15 de janeiro de 2019

2018 : na hora do balanço (V) - os principais eventos (2ª parte)

continuando...

2.Os eventos vínicos da Garrafeira Néctar das Avenidas (as datas são da publicação das crónicas)
."Jantar Quinta Monte d' Oiro", com o Francisco Bento dos Santos (na Casa da Dízima), em 6/3

."Jantar Osvaldo Amado", com o Osvaldo Amado (no Refúgio), em 24/4

."Curtas (XCIX) : Bairradão, (...)", com cerca de 40 produtores (no Hotel Real Palácio), em 29/5

."Jantar Herdade do Esporão", com a enóloga Ana Alves (no Sem Dúvida), em 14/6

."Jantar Portal do Fidalgo", com o enólogo Abel Codesso (no Hotel Real Palácio), em 14/8

."Jantar Ermelinda Freitas", com a Leonor Freitas e o enólogo Jaime Quendera (na Garrafeira), em 23/10

."Jantar Dona Maria", com a enóloga Sandra Gonçalves (no Via Graça), em 27/11

."Jantar Jorge Moreira", com o Jorge Moreira (na Casa do Bacalhau), em 13/12

3.Enoturismo com a Tryvel e a Maria João Almeida
."Enoturismo na Bairrada (I) : Introdução", em 3/5

."Enoturismo na Bairrada (II) : o Rei dos Leitões e a Quinta do Encontro", em 3/5

."Enoturismo na Bairrada (III) : Museu do Vinho, Dóri e Curia Palace", em 10/5

."Enoturismo na Bairrada (IV) : Caves Aliança e Mugasa", em 15/5

."Enoturismo na Bairrada (V) : Caves São João", em 17/5

."Enoturismo na Bairrada (VI) : Restaurante Vidal", em 18/5

."Enoturismo na Bairrada (VII) : Quinta das Bageiras e Caves São Domingos", em 22/5

."Enoturismo na Bairrada (VIII) : Palace Hotel do Buçaco", em 24/5

A próxima e última crónica sobre este balanço de 2018 será dedicada ao Top dos espaços de restauração.

terça-feira, 8 de janeiro de 2019

2018 : na hora do balanço (III) - TOP Fortificados

A crónica de hoje é dedicada aos vinhos fortificados (Porto, Madeira e Moscatel, onde incluo a casta Bastardo), provados no decorrer de 2018, na sequência e com a mesma metodologia dos brancos e dos tintos.
E eles são:
.Artur Barros e Sousa Boal 1860, com 19,5
.Artur Barros e Sousa Malvasia da Fajã
.Artur Barros e Sousa Verdelho Velho 1965
.Borges Sercial 1979
.Cossart Gordon Bual 1969
.José Maria da Fonseca Bastardinho de Azeitão 20 Anos
.Justino's Terrantez Old Reserve
.Krohn Colheita 1966
.Niepoort Garrafeira 1938
.Taylor's 40 Anos, todos com 19
Não foram incluídos por já constarem em Top's anteriores:
.FEM Verdelho Muito Velho
.FMA Bual 1964, ambos com 19,5
.Blandy Bual 1977, com 19
É, ainda, de inteira justiça listar os fortificados pontuados com 18,5+ e 18,5:
.José Maria da Fonseca Bastardinho de Azeitão 1927
.Blandy Solera Verdelho
.Blandy Terrantez 1976
.Instituto Vinho Madeira Reserva Velha
.Krohn Vintage 1931, todos com 18,5+
.Artur Barros e Sousa Malvasia 1965
.Artur Barros e Sousa Terrantez 1980
.Artur Barros e Sousa Terrantez 1981
.Barros Colheita 1963
.Blandy Sercial 1975
.José Maria da Fonseca Moscatel 1900
.Messias Colheita 1977
.Noval Vintage 1970
.PJL Bual 1880
.Sandeman 30 Anos, todos com 18,5
De salientar:
.dos 28 fortificados eleitos, 17 são Madeira (61 %), 8 são Porto (estando os tawnies em maioria) e 3 Moscatel
.dos 17 Madeira, 6 são Artur Barros e Sousa e 5 da Madeira Wine
.quanto às castas destes 17, a Bual (com 6) e a Terrantez (com 5) estão na frente, seguindo-se as restantes castas nobres (Sercial, Verdelho e Malvasia, com 2 cada), não havendo espaço para a Tinta Negra.

domingo, 6 de janeiro de 2019

2018 : na hora do balanço (II) - TOP Tintos

À semelhança do que foi feito para os vinhos brancos, a crónica de hoje é dedicada aos tintos provados/bebidos no decorrer do ano transacto e seguindo a mesma metodologia.
Dentro de cada patamar a ordem é a alfabética. E eles são:
.Qtª do Crasto Maria Teresa 2011 (Douro), com 19
.Kompassus Private Selection 2011 (Bairrada)
.Qtª do Crasto Touriga Nacional 2005 (Douro)
.Qtª da Falorca Garrafeira 2009 (Dão)
.Qtª das Bageiras Pai Abel 2009 (Bairrada)
.Qtª do Ribeirinho Baga Pé Franco 2005 (Bairrada)
.Qtª do Vale Meão 2011 (Douro)
.Qtª do Vallado Reserva 2011 (Douro), todos com 18,5+
.Nunes Barata Grande Reserva 2011 (Alentejo) *
.Qtª do Grifo Grande Reserva 2011 (Douro) *, ambos com 18,5
Os vinhos indicados com * foram escolhidos para este TOP 10 por eu ter tido muito prazer ao prová-los e não estarem nos radares da crítica.
Não foram incluídos por já constarem em Top's anteriores:
.Qtª do Vale Meão 2008 (Douro), com 19
.Pintas 2011 (Douro)
.Qtª do Noval 2008 (Douro), ambos com 18,5+
.Antónia Adelaide Ferreira 2008 (Douro)
.Ferreira Reserva Especial 2009 (Douro), ambos com 18,5
É de inteira justiça incluir nesta listagem os restantes vinhos tintos classificados com 18,5:
.Antónia Adelaide Ferreira 2009 (Douro)
.Conde Villar Seco T. Nacional Garrafeira 2010 (Douro)
.Esporão 1987 e Private Selection 2012 (Alentejo)
.Foral de Cantanhede Grande Reserva Baga 2009 (Bairrada)
.Passadouro Reserva 2008 (Douro)
.Pellada Mulher Nua 2003 (Dão)
.Pintas 2010 (Douro)
.Qtª dos Carvalhais Único 2009 (Dão)
.Qtª do Crasto Vinhas Velhas 2011 (Douro)
.Qtª da Falorca Garrafeira 2011 (Dão)
.Qtª da Romaneira 2004 (Douro)
.Qtª do Vale Meão 2009 (Douro)
.Qtª do Vallado Adelaide 2005 (Douro)
.Três Bagos Grande Escolha Estágio Prolongado 2008 (Douro)
.Vinha Othon Reserva 2008 (Dão)
De sublinhar:
.mais uma vez, o Douro é maioritário com 61 % dos vinhos aqui citados, mas o Dão e a Bairrada com 29 %, no conjunto, posicionaram-se bem
.a colheita de 2011 foi a maioritária com 29 % dos tintos seleccionados, seguida das colheitas de 2009 com 22,5 % e 2008 com 19 %.
A próxima crónica deste balanço será dedicada aos vinhos fortificados.

sábado, 5 de janeiro de 2019

Rescaldo das Festas 2018/2019

As Festas desenrolaram-se em 4 momentos, nem sempre com os mesmos intervenientes. Quanto aos vinhos bebidos nesta quadra, a uns limitei-me a atribuir uma classificação e a outros tive a oportunidade e a paz de espírito para os comentar.

1º momento (a Consoada)
.Portal do Fidalgo Reserva 25 Anos 2015 (17,5 noutra situação 18) com camarões de Madagascar e bacalhau Riberalves lascado com batatinhas no micro ondas
.La Rosa 30 Anos (18 noutra também 18) com azevias e outras sobremesas natalícias

2º momento (almoço de Natal)
.Pai Abel 2014 branco (17,5+) com cavalas e carapaus da "Petiscada", paté de fígado e cebola confitada da Susana Cavaco
.Qtª do Crasto Vinhas Velhas 2011 (18,5 noutras 17,5+/18,5/18/18/18,5) e
.Dúvida ? (António Saramago) 2011 (18) com couves à Dom Prior
.La Rosa 30 Anos com bolo real

3º momento (jantar de 31 de Dezembro)
.Qtª do Cardo Vinha do Lomedo Síria 2014 (garrafa nº 52/1461) - com base em vinha a 750 metros de altitude, estagiou 22 meses em barrica; alguma evolução, presença de citrinos e fruta madura, equilibrio entre a acidez e a gordura, madeira bem integrada, complexidade, algum volume e final de boca. Gastronómico (13% vol.). Nota 17,5+.
Acompanhou camarões de Madagascar, coelho vilão (Doces da Paulinha) e queijo.
A passagem do ano foi festejada com
.Grandjó Late Harvest 2008 - com base na casta Sémillon; presença de tangerina e laranja cristalizada, alguma acidez, gordura bem no ponto, notas glicerinadas, volume e final de boca notáveis. Em grande forma este colheita tardia já com 10 anos (12 % vol.). Nota 18 (noutras 16,5+/17,5+/17,5+/18/17,5).

4º momento (almoço de 1 de Janeiro)
Foi no Topo Belém (4*), restaurante situado no interior do CCB, onde comemos uma deliciosa massada de peixe acompanda de uma Bohemia Original.