terça-feira, 19 de outubro de 2021

As revistas especializadas - Balanço de 1 ano (I)

De Setembro 2020 a Agosto 2021 analisei e publiquei 12 crónicas sobre as principais revistas especializdas que se publicam em Portugal, a Grandes Escolhas (GE) e a Revista de Vinhos (RV).

A crónica de hoje e seguintes será dedicada ao balanço de 1 ano destas revistas, de acordo com o articulado utilizado nas referidas crónicas.


A. Nº de páginas

A RV editou, ao longo de 1 ano, 1916 páginas, das quais 494 de publicidade, isto é, 1422 úteis (74,2 % do total).

Por seu lado a GE editou no mesmo período 1272 páginas, das quais 459 de publicidade, restando 813 úteis (63,9 % do total).


B1. Crónicas/Reportagens

A RV publicou 81, cabendo a responsabilidade da sua edição a estes 10 jornalistas e críticos:

.José João Santos - 29

.Guilherme Corrêa - 24

.Marc Barros - 22

.Fátima Iken - 14

.Nuno Guedes Vaz Pires - 8

.Manuel Moreira - 5

.Luis Costa  - 4

.Célia Lourenço - 3

.Luis Alves - 2

.Rodolfo Tristão - 1

De notar:

.o somatório das intervenções destes jornalistas ultrapassa o nº de crónicas/reportagens, uma vez que algumas são colectivas

.o grande esforço caiu nos ombros dos 3 primeiros jornalistas aqui citados (75 crónicas/reportagens sairam das suas mãos)


A GE editou 54, sendo a sua autoria da responsabilidade destes 10 jornalistas e críticos:

.Luis Lopes - 15

.Mariana Lopes - 15

.Valéria Zeferino - 10

.João Paulo Martins - 7

.Fernando Melo - 6

.Nuno Oliveira Garcia - 5

.Luis Antunes - 2

.Luis Francisco - 2

.Dirceu Vianna Junior - 2

.Carlos Dias Pinto - 1

De notar:

.o somatório das intervenções destes jornalistas ultrapassa o nº de crónicas/reportagens, uma vez que algumas são colectivas

.o grande esforço caiu também nos 3 primeiros jornalistas citados (40 crónicas/reportagens sairam das suas mãos)

.a pouca (Luis Antunes) ou mesmo nenhuma (João Afonso) colaboração de alguns jornalistas da 1ª hora


B2. Painéis de Prova

A publicar na próxima crónica.


B3. Opiniões

Para além dos Editoriais dos respectivos directores da GE (Luis Lopes) e da RV (Nuno Guedes Vaz Pires), é de referir as opiniões dos seguintes colaboradores da RV:

.Sarah Ahmad - 12

.Jamie Goode - 12

.José João Santos - 12

.José Peñin - 3

.Debra Meiburg - 3

.Duarte Calvão - 3

.J. A. Dias Lopes - 2

.Carlos Maribona - 1


continua...

quinta-feira, 14 de outubro de 2021

TheFork Fest

 Com início hoje e até 26 Novembro é possível reservar mesa, num dos cerca de 80 restaurantes aderentes, com direito a 50 % de desconto, entre os quais O Nobre, Akla, La Trattoria, Jamie Oliver, Bem Haja e Terra Nova by Populi.

A reserva tem de ser feita obrigatoriamente através da plataforma The Fork. Imperdível!

terça-feira, 12 de outubro de 2021

Setembro 2013 : o que aconteceu aqui há 8 anos

 Das 14 crónicas publicadas no decorrer de Setembro 2013, destaco estas 4:


."Visita à Adega Mãe (I)" e  "Visita à Adega Mãe (II)"

Recordando uma visita à Adega Mãe, no âmbito da blogosfera, onde fomos recebidos pelo próprio director-geral (Bernardo Alves) e pelo enólogo residente (Diogo Lopes) que orientou a visita e a prova de vinhos.


."Almoço com Vinhos da Madeira (10ª sessão) : o regresso a S. Francisco da Serra"

Recordando uma grande sessão de convívio, comeres e beberes deste grupo de enófilos militantes, organizada pelo Juca.

Desfilaram 16 (!) vinhos (2 espumantes, 7 brancos, 3 tintos e 4 Madeiras), com nota muito alta para o Blandy Bual 1977 (19).


."Coisas do Arco do Vinho : 17 anos depois (I)"

Não resisto a recordar a inauguração das CAV, em 27 Setembro 1996, projecto que muito me marcou e durou até Março 2010 nas nossas mãos (Juca e eu). 

Lamentavelmente, deixaram-no morrer. Paz à sua alma!

segunda-feira, 11 de outubro de 2021

Festival Craft de Cerveja Artesanal no WOW (aditamento)

 Quanto ao festival de cerveja artesanal referido no ponto 2 da crónica "À volta da cerveja artesanal (XXIII)", faltou referir os cervejeiros que vão participar. E eles são:

.Aldeana

.Barona

.Bila

.Burguesa

.Colussus e D' os Diabos

.Deuses do Malte

.Dois Corvos

.Letra

.Lupum

.Nortada

.Madam Lindinha Lucas

.OPO74

.Piratas Cervejeiros

.Rima

.Sovina

.Tough Love

.Vadia


sábado, 9 de outubro de 2021

À volta da cerveja artesanal (XXII)

 1.Mais provas

Provadas mais 11 cervejas (10 artesanais e 1 semi-artesanal), classificadas de 1 a 5.

Com 5

.Musa Remistura Belgian Golden Strong Ale (Lisboa) com 9,8º de álcool e estágio em barricas de Porto Cockburns

.Letra F American IPA (Vila Verde)

Com 4,5

.Musa Barley White (Lisboa) com 11º de álcool e estágio durante 4 meses em barricas de Porto Cockburns

.La Rosa IPA (Pinhão)

.Letra D Red Ale (Vila Verde)

.1927 Bengal Amber IPA

Com 4 

.Alma Transmontana (Braga) com 10º de álcool

.Dois Corvos Polite Society (Lisboa)

.Dois Corvos Portugal Beer Hazy Pale Ale (Lisboa)

Com 3,5

.Dois Corvos The Grape Depression Ale (Lisboa) com mosto de uva Moscatel envelhecida em barricas de Colheita Tardia durante 13 meses

Com 3

.Burguesa Barley Wine (Gaia) com 9º de álcool e estágio em barricas de Porto 


2.Festival Craft de Cerveja Artesanal no WOW

Nos dias 15, 16 e 17 de Outubro o WOW promove uma mostra e prova de cervejas artesanais, onde estarão presentes os principais cervejeiros nacionais.

Mais um evento do WOW a não perder!


3.Revista de Vinhos (RV)

A RV, no seu nº de Setembro, publica a 2ª parte de uma crónica dedicada às Sidras, mas não esquece as cervejas artesanais, dando-nos conhecimento da entrada da José Maria da Fonseca neste novo mundo. Em parceria com a 8ª Colina lançou recentemente a Mosquita Blonde Ale. Também ficamos a saber que a Sovina, agora pertença do Grupo Esporão, lançou a 500 Cherry Sour.


4.Evasões

Esta separata dos jornais DN e JN também tem estado atenta ao novo mundo das artesanais, tendo noticiado em 2 dos seus números:

.Num, a abertura do espaço Taproom Porto na Rua Dom João IV (Bonfim), resultante de uma parceria das cervejeiras portuenses Colussus e D' Os Diabos.

.Noutro, a divulgação de espaços onde se pode beber ou comprar artesanais, no Porto (Catraio Craft Beer Shop & Bar, na Rua da Cedofeita) e em Lisboa (Oitava Fábrica Taproom na Avenida Infante D. Henrique e 21 Gallas Brewpub na Rua Angelina Vidal).

quinta-feira, 7 de outubro de 2021

Grupo ad hoc (2ª sessão)

 Este grupo de enófilos, sem constituição rígida, voltou a reunir, desta vez no Lugar Marcado. Estiveram presentes o João Quintela (o promotor da idéia), Gaspar Arménio, Jorge Faustino e eu próprio.

Com a Sandra nos tachos, inspiradíssima como sempre, e a Fátima na sala a executar um serviço de vinhos de qualidade, como é habitual, desfilaram:


.Champagne Premier Cru Nicolas Maillart 2012 (1 das 15912 garrafas, levada pelo Jorge) - com base nas castas Pinot Noir (55 %) e Chardonnay (45 %), foi feito degorgement em Dezembro 2018.


.Viña Tondonia Reserva 2006 Rioja (garrafa levada pelo Arménio) - estagiou 6 anos (!) em madeira; alguma evolução, ligeira oxidação nobre, presença de fruta de caroço, notas glicerinadas, equilibrio acidez/gordura, volume e final de boca apreciáveis (12,5 % vol.). Cheio de saúde e deveras gastronómico. Nota 18,5.

Acompanhou:

.uma prova de azeites: Quinta Vale Meão Bio (nota 4 em 5), Brites Aguiar (4) e Azête Figueirinha (5) 

.chamuças e croquetes de alheira

.coelho frito

.polvo à algarvia

.caril de camarão


.Herdade da Lisboa Paço dos Infantes Touriga Nacional 2018 (levada pelo João) - com base na casta Touriga Nacional (100 %) estagiou 12 meses em barricas de carvalho francês; presença de fruta vermelha, alguma acidez, taninos bem presentes mas civilizados, notas especiadas com a pimenta a impor-se, volume e final de boca de respeito (14 % vol.). Um Touriga Nacional atípico e muito gastronómico, a consumir nos próximos 6/7 anos. Nota 18.  


.Tapada de Coelheiros Garrafeira 2012 (1 das 2800 garrafas levada por mim) - com base nas castas Aragonez e Cabernet Sauvignon, estagiou 18 meses em barricas de carvalho francês e mais 5 anos (!) em garrafa; ainda com alguma fruta preta, acidez no ponto, especiado, taninos impressivos e sedosos, volume apreciável e final de boca muito longo (14,5 % vol.). Complexo e cheio de saúde, a consumir nos próximos 8 a 10 anos. Nota 18,5+.

Estes 2 tintos harmonizaram com presa de porco preto.


.Graham's Quinta de Malvedos Vintage 1998 (levada por mim) - esta garrafa foi uma oferta do produtor em 2008, aquando uma visita de clientes das Coisa do Arco do Vinho a esta quinta e assinada por todos os participantes; ainda com muita fruta, alguma caidez, taninos dóceis, algum volume e final de boca. Um bom LBV. Nota 17,5.

Este Porto acompanhou uma mousse de chocolate. 


.Barbeito Boal 40 Anos, engarrafada em 2018 (garrafa nº 293/739 levada pelo Jorge) - presença de frutos secos e vinagrinho, notas iodadas, de caril e brandy, taninos suaves, volume assinalável e final de boca longo. Uma preciosidade. Nota 18,5+.

Este Madeira acompanhou um bolo rançoso.


Mais uma grande sessão de convívio, comeres e beberes. Obrigado a todos! 

terça-feira, 5 de outubro de 2021

Visita ao WOW (III) - Os espaços de restauração

 Esta terceira e última crónica sobre o WOW é dedicada aos espaços de restauração. Entre restaurantes, bares e cafés são 12, embora 2 estejam temporariamente encerrados. Quando fiz o meu trabalho de casa, ainda em Lisboa, seleccionei estes 2 : o Golden Catch (Peixe e Marisco) e o T & C (Gastronomia Portuguesa), mas apenas consegui almoçar no primeiro. Quanto ao segundo, bati com o nariz na porta, pois estava reservado para um casamento, embora nada constasse na entrada. Francamente, não custava nada avisar os potenciais clientes.


.Golden Catch - 4 *

É um espaço amplo com uma invejável esplanada exterior detentora de vistas fabulosas para o Porto.

Na ementa constam 5 entradas, 2 sopas, 2 mariscadas, 7 pratos principais e 7 sobremesas, tudo a preços puxadotes. Optei por uma "Sopa rica de peixe" (mais remediada que rica) e pelo "Carpaccio de polvo" bem agradável.

Quanto à componente vínica, inventariei 4 espumantes (2 a copo), 2 champanhes (1), 12 brancos (6), 1 rosé (1), 10 tintos (6), 7 Portos e 1 Madeira. Tem, ainda, uma lista Top com 3 brancos, 15 tintos, 1 Moscatel e 2 Portos.

A lista está organizada pelo perfil dos vinhos e inclui a designação das castas e o ano de colheita. Os preços são altos e alguns demenciais.

Refugiei-me na semi-artesanal 1927 Bengal Amber IPA (nota 4,5) que me soube muito bem.

Serviço profissional e simpático, mas com algumas falhas.


.Root & Vine - 3,5 *

Este espaço, que fica encostado ao anterior e goza da mesma esplanada, aposta na comida vegetariana. Tem, ainda, uma ampla sala interior.

No menu constam 2 sopas, 5 entradas, 7 pratos principais e 7 sobremesas. Optei pelo aceitável "Caril vegetariano" e pela "Pera bêbeda" que estava muito saborosa.

A lista de vinhos é rigorosamente igual ao do espaço anterior. Voltei a jogar à defesa e refugiei-me na mesma 1927.

Serviço simpático, mas também com algumas falhas. 

Foi um apena não ter conhecido o T & C. Fica para uma próxima.