quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Provar vinhos com a Quinta de Lemos

A Qtª de Lemos, sob orientação do seu enólogo Hugo Chaves, apresentou recentemente os seus vinhos Dão da colheita 2011. A prova decorreu no Ibo Café (ao Cais do Sodré) que confecionou uma série de excelentes tapas que harmonizaram com os vinhos apresentados, 4 monocastas e 2 de lote.
Tiro o meu chapéu a este produtor que teve a "ousadia" de esperar 5 anos para lançar os seus vinhos de 2011. São raros os produtores com esta louvável postura, uns por não poderem, outros por não quererem...
E os vinhos apresentados, todos muito equilibrados, frescos e elegantes, foram:
.Qtª de Lemos Alfrocheiro - fresco e floral, acidez equilibrada, taninos civilizados, algum volume e final de boca adocicado. Nota 17,5.
.Qtª de Lemos Jaen - nariz discreto, alguma fruta, acidez no ponto, taninos dóceis, volume e final médios. Nota 17.
.Touriga Nacional - aroma contido, floral, boa acidez, taninos evidentes mas civilizados, volume e final apreciáveis; muito consistente e harmonioso. Nota 18.
.Tinta Roriz - mais exuberante, algum vegetal, acidez q.b., taninos firmes, elegante, algum volume e final de boca seco. Ainda precisa de tempo para se mostar na sua plenitude. Nota 17,5+.
.Dona Santana - com base em lote das 4 castas anunciadas, mas com predomínio da Touriga (60 %); nariz exuberante, acidez no ponto, volume e final médios. Agradável e correcto, mas a precisar de algo mais para dar o salto para outro patamar. Nota 17+.
.Dona Georgina - com base nas castas Touriga Nacional (80 %) e Tinta Roriz (20 %), estagiou em barricas novas de carvalho francês; nariz afirmativo, fruta ainda presente, notas florais, algum fumado, acidez e consistência, grande volume e final de boca. Nota 18,5.
Gostei francamente desta prova e fiquei rendido à qualidade dos vinhos apresentados, nomeadamente o Dona Georgina. Para quando um branco? Aqui fica o meu desafio a este original produtor.

2 comentários:

  1. Caro Francisco Cunha,

    o produtor tem no mercado um branco 100% encruzado (Dona Paulette)cuja primeira edição julgo ser de 2012.

    Trata-se de um projecto em que nenhum pormenor parece ser deixado ao acaso e a qualidade se faz notar.

    Tive a oportunidade de jantar no restaurante da propriedade (Mesa de Lemos) e foi uma experiência incrível que recomendo.

    Obrigado pelas partilhas no blog.

    Cumprimentos

    Joel Rodrigues

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Joel Rodrigues,
      Obrigado pela informação. De facto, não me tinha apercebido da existência de um branco. Também estou curioso em conhecer o restaurante, o que farei em próxima visita ao Dão.
      Cumprimentos,
      Francisco Cunha

      Eliminar