quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Qtª Nova Nossa Sra do Carmo : 10 anos de Grande Reserva

Tive, recentemente, a oportunidade de participar numa prova vertical, organizada pela Qtª Nova Nossa Sra do Carmo, cujas faces visíveis eram a Luisa Amorim (a produtora), a Paula Sousa (o braço direito) e o Jorge Alves (o enólogo, sócio do Celso Pereira no projecto Quanta Terra e meu conhecido desde os tempos das Coisas do Arco do Vinho). Também colaborou, no apoio logístico, o Giscard Muller (escanção, braço direito do Manuel Moreira em diversos projectos).
O universo da grande maioria dos participantes era o da restauração, não tendo vislumbrado qualquer elemento ligado à comunicação social ou à blogosfera.
Havia 2 mesas com vinhos do produtor à prova (Qtª Nova, Mirabilis, Grainha, Pomares, Porto Vintage e Porto LBV) e, ainda, uma mesa com enchidos (Ibéricos Montellano) e outra com queijos (Casa Matias).
Mas, o mais importante neste evento foi a prova vertical dos Grande Reserva, tendo-se destacado, para o meu gosto, o 2005 (fino e elegante, balsâmico e especiado, aromas e sabores terciários, volume e final de boca assinaláveis) a merecer-me a nota 18,5. Um tinto perfeito e no ponto óptimo para ser bebido. Logo a seguir o 2011 (grande potencial, taninos evidentes mas civilizados, uma bela estrutura e final de boca, a pedir mais uns anos de garrafa), nota 18+.  A completar o trio dos meus eleitos, o 2015 (exuberante, com muita fruta, taninoso e volumoso, ainda a dar os seus primeiros passos), nota 18.
Noutro plano o 2007 (17,5+), 2008 (17,5), 2012 (17+) e 2013 (17). E, finalmente, as desilusões: 2006 e 2009, nota 16,5.
Em conclusão, uma prova vertical bem organizada, a mostrar bem o potencial da maioria dos Grande Reserva. É pena que o 2005 e o 2011 já não se encontrem no mercado.

1 comentário:

  1. dos 2011, provei o GR clássico e o GR referência. preferi o clássico.

    ResponderEliminar